domingo, 20 de julho de 2008

Precisa-se da Eternidade novamente

Voltando à ativa...

Vamos de novo olhar para nosso mundo do saco plástico e refletir sobre um ponto crucial na horda de patricinhas e modistas que nos infestam, parabéns para todos, surgiu a moda e o ideal do "está bonito para hoje e é feio para o amanhã".
De maneira mais clara e objetiva, agora temos sempre uma linha de roupas, músicas e tendências para seguir que vão de acordo com a época e o momento.
Entenda por "agora" os dias recentes de nossa existente jovial, algo distante da fase adolescente de nossos pais e avós onde a moda caminhava junto com a tecnologia, ou seja, existia, mas só pra completar a vida assim como orégano (não fumado) na pizza ou as platinhas verdes do jardim que só percebemos depois que estão grandes demais.
Enfim, hoje temos a cada instante, novas tendências, estilos diferentes de moda que vão desde à sapatilha com meias coloridas até laços coloridos e ridículos na cabeça. Hoje temos as "bandas que fazem sucesso imediato" e morrem na mídia depois do segundo cd. Temos uma legião de artistas geniais que estreiam suas cenas épicas e brilhantes e caem depois de se descobrirem não tão geniais assim.
Nossa "moda", nossas "tendências", nossas estrelas famosas que brilham como fogo em palha e se acabam com pequenas fagulhas que o mais próximo observador nem notou, trazem à tona um problema: nos tornamos pessoas "enjoadas". A moda corre cada vez mais rápida e com isso enjoamos cada vez mais rápido dela mesma, por isso o ciclo cada vez mais intenso e curto para cada nova tendência. Por isso surgem tantos músicos que caem no esquecimento após o sucesso imediato de um hit ou dois. Porque enjoamos logo e precisamos de algo novo e diferente. Precisamos de uma música de amor nova para chorar um amor novo, precisamos de uma dança nova porque a anterior já tocou mais de duas vezes. Precisamos, precisamos...

Precisamos de algo eterno novamente. Precisamos de algo que dure, e o problema é achar esse "algo".
De uns tempos pra cá, não surgiram novos Pelés, novos Led Zeppelins nem novos Bill Gates para revolucionar o mundo e marcá-los eternamente, seja nos esportes, deixando todos boquiabertos ao ver um passe ou movimento que nos fazem ver o verdadeiro futebol arte (que por acaso se perdeu também na moda), seja na música com os solos e ritmos inovadores e o uso de escalas e pentatônicas de maneiras diferentes (o que pouquíssimas bandas de "sucesso" hoje sabem o que significam), seja na tecnologia nos trazendo a possibilidade de transferir dados com velocidades inimagináveis antes do homem aprender que podia usar calor para fazer energia.
Precisamos de ídolos e heroís que durem pra sempre, porque nosso mundo "enjoado" já não aguenta mais um minuto se "renovando" a mudando o modo de transladar.

Precisamos só de algo que dure mais de duas semanas, ou não.

Talvez nem precisemos de algo "eterno", assim como os tolos, desculpe o termo, precisam de um Deus ou os mendigos, desculpe o termo novamente, precisam de comida, para se segurar, já que seus organismos são fracos demais para usar duas pernas de modo eficiente e se segurarem.
Talvez só precisemos de um pouco de vergonha na cara para segurar o que temos nas mãos por um pouco mais de dois segundos sem precisar usar a desculpa de "estou enjoado" para jogar fora antes de se apegar e dizer "até mais resto do mundo, é disso que eu gosto e não faço idéia de quando vou largar".
Talvez o mundo só precise disso.
Talvez não.
Quem liga?

4 comentários:

JM disse...

mt bom seu post
apesar d longo um pouco
mas realmente a moda do mundo de hj é foda

Camila disse...

Eterno é uma palavra forte e eu gostei do jeito que você usou, sem exageros.
Acho também que essa questão se liga ao grande desapego mundial, o fato de tudo e todos estarem virando seus olhinhos de porco para as próprias fuças. Não que eu espere que o mundo saia por aí se abraçando e exprimindo o amor que não tem. Enfim, gostei do texto. :)

Luiz Carlos disse...

Muito bom seu texto.Longo mas valeu a pena ler.
Parabéns pelo Blog!!
Abraços...

Filipe disse...

Diablo 3 inspira...
Sim, a moda domina tudo e a razão pra algo ficar ruim é seguir a moda
então se algo virar "modinha" é ruim, então vamos largar.Acredito que isso não acaba tão cedo, mas posso ir levando enquanto isso e vou eu mesmo descobrir meus eternos :P